Gracie Barra Brasil

Jiu-Jitsu for Everyone
Gracie Barra wear
Search

Cuidar da Mente é Jiu-Jitsu: Seja você sua principal força de vontade

Falam que a melhor fase para iniciar em qualquer esporte é na infância. Os primeiros passos dentro do tatame não se restringem aos primeiros anos de vida, adolescência ou fase adulta. Não existe hora certa para começar. Para vestir o kimono pela primeira, uma única coisa é necessária: ter vontade.

Querer e fazer por onde poder é algo que vem de dentro para fora. Naturalmente ou por força dos fatos da vida, Alexsa Gomes viu a vontade de superar a si mesma desde muito cedo, “Eu venho de uma herança genética de obesidade. Minha mãe fez redução de estômago e minha irmã também. Sei o quanto é difícil viver com o estômago reduzido, então não quis isso para a minha vida. Luto desde sempre com dietas, academias, Personal, médicos… Mas quando perdi minha mãe e meu pai de criação, ganhei muito mais peso”, contou a capixaba.

Rumo aos 40 anos, casada, mãe de 3 filhos vindos através de cesarianas – sua primeira filha morreu com 3 dias de vida e o último filho faleceu ainda em seu ventre ainda no 7º mês de gestação, não foi fácil para Alexsa conter as emoções e ter cabeça para dominar o problema com o peso. A vida parecia ter sido cruel o suficiente a ponto de deixa-la sem vontade de vencer, mas segundo ela, sua força renasceu graças ao seu filho Walter, “Tudo isso contribuiu para o ganho de peso. Porém, Deus me confiou cuidar do meu filho do meio.  Foi pensando no meu filho, Walter Henrick – a quem a família GB Cariacica, carinhosamente, chama de Waltinho, que entrei pela primeira vez em uma escola Gracie Barra.

Devido as difíceis situações passadas, Alexsa redobrou a atenção com a saúde de seu filho. Os esportes foram a melhor forma que ela achou para fazer do futuro de Walter, diferente do que aquele que ela teve que enfrentar, “Ele é uma criança tímida, porém centrada. Logo se apaixonou pelo Jiu-Jitsu, desde a aula experimental. Ficava horas na academia, fazendo treinos seguidos. Participando de seminários, apresentações em shopping, torneios… E eu, mãe coruja, o admirava”, compartilhou Alexsa.

A admiração do pelo filho a fez viver um momento único, simples, mas marcante o bastante para faze-la mudar, Quando ele trocou de faixa, eu ia jogar a branca fora, ele não deixou e disse: “Mãe, não pode lavar, nem jogar fora. Aqui estão os “meus graus”. Quero guardar”. Eu não entendia muito bem aquilo, mas respeitava”. Depois do episódio, veio o primeiro passo para aquilo que mudaria sua vida, a matrícula na GB Cariacica, “Depois do meu kimono chegar, o vesti e fui para a primeira aula, num horário com menos alunos, por causa da vergonha que tinha de treinar, devido ao meu tamanho e peso”.

As dificuldades físicas por um momento a fizeram pensar em desistir daquela “loucura” que seria treinar o bjj, À princípio confesso que pensei: o que eu estou fazendo aqui?! Eu não conseguia nem sentar no chão. O aquecimento era um desafio gigante!, contou a hoje faixa branca 2º grau. Com o tempo, graças o apoio do professor, Mauricio Pracias – responsável pela unidade em que treina, a insegurança e o medo ficaram de lado, “Com o tempo comecei a conseguir fazer a aula. Como me desliguei do mundo! Era só o dojô e eu. Só ali que vi, que “eu” era o meu maior desafio”, contou, emocianada. E ela estava certa.

O desempenho foi aumentando e a força de vontade fez Alexsa passar a frequentar as aulas dos horários mais cheios, como ela mesma disse, “Foram gotas de confiança, esperança e fé que hoje correm como rios em minhas veias”.

Sua trajetória na arte suave começou em dezembro de 2015 e com apenas 2 meses de treinos, nossa guerreira conseguiu eliminar 15 quilos!

“Ao receber meu primeiro grau, não consegui conter as lágrimas. dos muitos que virão. Quando o sensei Mauricio Pracias me chamou, eu não acreditei. Um filme se passou em minha mente, e ali, naquele momento entendi o porque meu filho guarda as suas faixas. É indescritível, só quem vive isso, entende. Foi no chão que percebi que chegaria ao topo! Afinal, percebi que aqui no dojô, com nosso amado jiu-jítsu,  professor e irmãos de treino, eu conseguiria perder peso com prazer e saúde”.

Quer mudar? Quer vencer? Não adianta só pensar. Seja você sua principal força de vontade.

Oss!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *